Artigo - O desafio da Esfinge

A situação é desoladora, a economia não deslancha, o Brasil retrocede vinte anos com quase 30 milhões de brasileiros subutilizados no mercado de trabalho e a histeria dos rentistas fica cada vez mais forte.

A maioria dos trabalhadores empregados vai sobrevivendo como pode; os que têm carteira assinada são acossados pela lei trabalhista celerada, os que são informais sofrem todas as maldades do mercado – baixos salários, jornadas exorbitantes e nenhum direito. O colchão social se esgarça e os indigentes formam uma legião aterradora.

Mas os rentistas – que ganham bilhões às custas do Estado brasileiro – insistem em aprofundar as deformas que os beneficiam. Para eles sua própria atividade especulativa (basta ver o que aconteceu na última semana com as ações da Petrobrás ou com o dólar) tem justificativa na falta das deformas ou em sua incompletude.

A resistência do povo trabalhador e sua capacidade de sobrevivência digna são emocionantes. Vivemos uma época em que qualquer resistência, mesmo passiva, deve ser valorizada e qualquer vitória, por menor que seja, deve ser trombeteada.

É hora, portanto, de registrar a greve dos metalúrgicos da Mercedes Benz, a reunião do Brasil Metalúrgico em Caxias do Sul, a greve que se amplia dos trabalhadores da construção civil de São Paulo, as vitórias dos metroviários de São Paulo, a disposição de luta dos professores das redes privadas de São Paulo (que terão uma quarta-feira cheia de manifestações), a greve de zelo dos auditores da Receita Federal e a mobilização dos caminhoneiros contra as permanentes altas do combustível. Os petroleiros têm sido firmes e coerentes em sua resistência ao desmanche da Petrobrás como empresa estatal produtiva e poderosa.

Esta contradição entre o desarranjo do quadro econômico que poderia levar ao desalento e as demonstrações de resistência e as vitórias deve reforçar o empenho unitário do movimento sindical levando-o a intensificar suas ações, preocupando-se também com a escolha de candidatos nas próximas eleições que sejam favoráveis à plataforma do movimento e capazes de vencer no pleito eleitoral.

Com todas as dificuldades reais e mais algumas o movimento sindical enfrenta o desafio da Esfinge que, se bem resolvido, garantirá sua relevância social.


João Guilherme Vargas Netto
É membro do corpo técnico do Diap e consultor sindical de diversas entidades de trabalhadores em São Paulo