Visualizar no navegador | Enviar para um amigo  
 
  Informativos | Notícias | Contato  
Nova edição da Revista Mundo Sindical

Olá amigos,

Estamos no início de um novo ano! É com prazer que desejo a todos os nossos leitores, amigos e colaboradores um 2018 de muita paz, com forças renovadas para novos voos.

Esta nossa primeira edição do ano da Mundo Sindical é quase toda voltada ao nebuloso cenário surgido da reforma trabalhista, em vigor desde 11/11, com duras consequências para trabalhadores, sindicatos, centrais sindicais e até empresas.

Para analisar esse imbróglio e apontar caminhos, ouvimos representantes e especialistas dessas áreas, com destaque à Justiça do Trabalho, à qual caberá desatar incontáveis nós. Guilherme Guimarães Feliciano, presidente da Anamatra (Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho), analisa temas polêmicos como a independência dos juízes, trabalho intermitente, justiça gratuita e letigiosidade. Deixa claro que “há muitos retrocessos na lei” e que “o momento é de incerteza”. Sua entrevista exclusiva, aqui condensada, está na íntegra em nosso portal (www.mundosindical.com.br).

O trabalho intermitente ganha especial importância. Está sendo um dos pontos mais espinhosos da reforma, por envolver remuneração mínima, contribuição ao INSS e seguro-desemprego – questões também comentadas pelo advogado Fábio Lemos Zanão.

Outro destaque envolve a questão dos sindicatos e das centrais, às voltas com séria crise financeira com o fim do imposto sindical obrigatório. Há demissões e estima-se em 100 mil o número de trabalhadores afetados no meio sindical, que perde sustentação e está sendo obrigado a suspender serviços prestados aos trabalhadores. A solução encaminha-se para a criação de uma contribuição negocial, ainda não formalizada. Os presidentes da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, e da UGT, Ricardo Patah, comentam a situação em artigos.

Sérgio Luiz Leite, presidente da Federação dos Químicos do Estado de SP, diz que “precisamos criar uma cultura da negociação coletiva”.

No fechamento desta edição, o governo prometia desbloquear R$ 500 milhões do antigo imposto sindical retidos na Caixa Econômica Federal por questões burocráticas. A insinuação de que se faria isso em troca de apoio à reforma da Previdência irritou a CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros), contrária às mudanças.

Sob o princípio do negociado sobre o legislado e, em muitos casos, sem ninguém que os oriente ou defenda, milhões de trabalhadores têm de aprender a negociar diretamente com o patrão, sobretudo nas micro, pequenas e até em médias empresas, ou buscar a ajuda do sindicato da categoria para ganhar força de negociação em contratos individuais ou acordos coletivos. Espera-se que cada empregador, ao se adequar às mudanças, tenha a consciência de que o empregado é seu maior capital. Só haverá justo crescimento econômico se houver aumento da massa salarial e do poder de compra dos trabalhadores.

Clique aqui para ler a revista.

Boa leitura!

Sandra Campos
Editora-Chefe

 
         
As alterações na lei trabalhista que serão votadas no Congresso Nacional este ano; leia artigo Rodoviários de Ananindeua e Marituba, no Pará, querem mais segurança no trabalho Para não ganhar menos que o salário mínimo, teleoperadores fazem greve em Salvador Mesmo barrada pela justiça, Cristiane Brasil já comanda Ministério do Trabalho
Está prevista para ser encerrada no dia 22 de fevereiro a votação na Câmara dos Deputados e no Senado das alterações no texto da Reforma Trabalhista... A direção do Sindicato dos Rodoviários de Ananindeua e Marituba, no Pará, participou nesta quinta-feira (11) de reunião com a Secretaria Municipal... As trabalhadoras e os trabalhadores que atendem ao serviço 135 da Previdência Social continuam em greve Impedida de assumir o Ministério do Trabalho por decisão judicial, a deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ) na prática já comanda a pasta, exercen...
Ler Mais Ler Mais Ler Mais Ler Mais

         
Reforma trabalhista: governo tenta se blindar junto ao TST Sindicatos de São Paulo farão ações unificadas contra as reformas trabalhista e da Previdência Governo reajusta salário mínimo abaixo da inflação e prejudica 22 milhões de aposentados Sindicatos acusam Autoeuropa de querer pagar sábados como trabalho normal
BRASÍLIA - O governo montou uma estratégia para evitar que a discussão sobre a reforma trabalhista que ocorrerá no Tribunal Superior do Trabalho (TST)... Expressivos sindicatos de trabalhadores da capital paulista se reuniram nesta terça, 9 de janeiro, na sede do Sindicato dos Trabalhadores da Construçã... Ao reajustar o salário mínimo com índices abaixo da inflação pelo segundo ano consecutivo, o governo conseguiu piorar o que já era ruim. Sindicatos afetos à CGTP/Intersindical acusaram a Autoeuropa de querer pagar os sábados como trabalho normal, mas a administração da empresa garante q...
Ler Mais Ler Mais Ler Mais Ler Mais
 
 
 
Mundo Sindical - Alameda dos Jurupis, 1005 - Cj. 102 - Moema - São Paulo - SP
 
 

Facebook Twitter YouTube